CEF completa 160 anos

Brasília, DF, Brasil: Caixa Econômica Federal. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Sindicato parabeniza empregados pelo compromisso com a população brasileira, a defesa do banco público e o fortalecimento do papel social da instituição financeira

 

Nesta terça-feira 12, a Caixa Econômica Federal completa 160 anos de existência e serviços prestados ao desenvolvimento do país e ao povo brasileiro. Tanto nos momentos de maior valorização do banco público, como foi o período entre 2003 e 2014, quanto em tempos de maior ameaça ao caráter público e a função social da Caixa, como foram anos 1990 e está sendo o atual período, quem sempre fez com que o banco continuasse sendo uma instituição fundamental para os brasileiros foram os seus trabalhadores. 

Para o Sindicato dos Bancários do Sul Fluminense, os empregados da CEF fazem o diferencial e o referencial do banco. “Mesmo diante aos constantes ataques aos direitos dos trabalhadores, mesmo com o atual governo jogando contra a Caixa 100% Pública, são eles que constroem diariamente esse banco público tão importante para o desenvolvimento do país e em benefício da população”, ressaltam. 

Sempre ao lado dos brasileiros

A Caixa – que a partir de 1870 foi o banco que passou a receber depósitos de pessoas escravizadas para que comprassem a alforria – sempre esteve ao lado dos brasileiros, cumprindo um importante papel social enquanto banco público. 

É o banco da habitação, do financiamento imobiliário, do FGTS, do Bolsa Família, do repasse de recursos das loterias, da oferta de crédito e financiamento de obras de infraestrutura; do auxílio-emergencial; da presença em cidades e regiões nas quais os bancos privados não tem interesse em atuar.

Em 2014, a CEF chegou a ter 101 mil empregados em todo o país,  atualmente não chega a ter 85 mil. 

LUTA COLETIVA – Uma marca dos empregados da Caixa é a luta coletiva, seja pelos seus direitos ou pela defesa da Caixa 100% Pública e do seu papel social. 

Em 1971, em plena ditadura, os empregados da Caixa criaram a Fenae (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal) e as Apcef (Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal), unificando a luta dos trabalhadores do banco público de todo o país. Já em 1985, os empregados aprovam uma greve de 24 horas, que resulta na conquista da condição de bancários e na jornada de 6 horas.

Nos dias atuais, diante de um governo extremamente neoliberal, privatista, que pretende fatiar e vender o banco aos pedaços, os empregados estão na linha de frente da luta em defesa da Caixa 100% Pública, barrando as investidas contra o banco público e contra seus direitos e empregos.

Fonte: SP Bancários com edição do Sind. Bancários do Sul Fluminense

 

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Sede Barra Mansa
Sede Campestre:
Subsede Volta Redonda:

Copyright 2021 - Sindicato dos Bancários do Sul Fluminense

Como podemos ajudar?